sábado, 30 de agosto de 2008

A Múmia: Tumba do Imperador Dragão

Por: Biel Marcos

Quando foi confirmado que a franquia “A Múmia” teria mais uma continuação, os fãs dessa grande obra vibraram pensando que estava a caminho mais um grande filme. Infelizmente, o que vemos em cena nem sequer se aproxima da qualidade dos dois exemplares anteriores da franquia.

Com muitas doses de humor forçado, um mau desenvolvimento tanto dos personagens novos quanto dos antigos, um novo inimigo que não dá nem 10% do trabalho que os heróis tiveram em suas aventuras passadas, uma trilha sonora lamentável e uma direção de competência duvidosa fazem do novo longa uma mera tentativa dos estúdios Hollywoodianos de ganharem dinheiro sobre seus filmes de sucesso.

As conseqüências da mudança de diretor são sentidas em cada minuto de filme. Vê-se claramente que Rob Cohen não tem intimidade com o estilo de filme que se propôs a fazer, coisa que Stephen Sommers demonstrou ter de sobra. Cohen também não soube guiar os personagens que tinha em mãos, transformando Evy e Ricky O’Connell em dois personagens completamente sem graça. Jonathan Carnahan também não protagoniza mais as grandes cenas de humor de antes, o que faz muita falta no filme.

A mudança na intérprete da protagonista também afetou o trabalho de forma negativa. Maria Bello é uma ótima atriz, mas não era a atriz certa para o papel de Evy O’Connell. Ela não tem nem de longe o carisma de Rachel Weisz e muito menos química com Brendan Fraser.

Quanto à ala oriental do filme, pode-se dizer que Jet Li e Michelle Yeoh fizeram na verdade, participações especiais. O imperador interpretado por Li passa quase todo o tempo transformado em alguma coisa, seja uma estátua, um dragão, um monstro, enfim, o ator só vem mostrar mesmo o seu rosto no início e no fim do filme. Michelle é desperdiçada, aparecendo em pouquíssimas cenas e com pouquíssimas falas. Somente Isabella Leong está presente na maior parte do filme, porém, ela também é a mais inexperiente e é visível a insegurança da atriz em cena.

Nem mesmo em questão de efeitos especiais e cenas de ação o novo filme supera os antepassados. O exército de terracota não chega aos pés do exército de Anúbis, os Yetis aparecem em cena sem muito propósito e sem nenhuma explicação, e Shangri-lá não é sequer explorada! As cenas de ação até são boas, mas não superam as dos dois primeiros filmes.

Para piorar tudo, o filme é repleto de referências aos longas anteriores, o que traz ainda mais saudade da competente direção de Sommers. Depois dessa infeliz tentativa de levar a franquia adiante, tudo que se pode fazer é lamentar e esperar que não arrumem motivo pra mais uma continuação, a não ser que tragam de volta tudo que as aventuras da família O’Connell tinham de bom.
Nota: 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Um comentário:

Rodrigo disse...

É Gabriel realmente é verdade!Quando fui assistir A Múmia 3 confesso que fui com esperanças de ver uma ótima continuação,porém vi que estava errado.Esse filme nem de longe bate os dois anteriores!Foram muita poucas as cenas que eu achei legal.Tipo a hora que o Imperador acorda seus soldados de Terra cota para enfrentar as múmias que a feiticeira havia despertado para a batalha,até que foi legal,mas sinceramente não chega nem perto da batalha do exército anúbis contra o exército Medjai do filme anterior!
Outra verdade é que sem a atriz Rachel Waiz o filme realmente não é o mesmo ela fez muita falta!!
Enfim o que tinha tudo para ser uma ótima continuação acabou por se tornar um fracasso total,que pena!!